Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé!

“O que vos digo na escuridão, dizei-o à luz do dia;
O que escutais ao pé do ouvido,
Proclamai-o sobre os telhados!”(Mt 10,27).

O Décimo-Segundo Domingo do Tempo Comum pode ser considerado como o primeiro da segunda parte deste tempo litúrgico. Os Domingos do Tempo Comum são nossa páscoa semanal. São os dias da nossa ressurreição, princípio e fim da nossa semana. O centro deste magnífico dia é a Eucaristia, Ceia do Senhor, onde toda a comunidade dos fiéis se encontra com o Senhor ressuscitado, que os convida ao seu banquete. O domingo é o dia por excelência da assembléia litúrgica em que os fiéis se reúnem para, ouvindo a Palavra de Deus e participando da Eucaristia, lembrarem-se da paixão e ressurreição do Senhor Jesus, e darem graças a Deus que os regenerou para a viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo de entre os mortos.

Costumo lembrar-me do evento que um de nossos Padres da Arquidiocese de Ribeirão Preto conta, enquanto chegava, na Amazônia, a uma Comunidade Ribeirinha, depois de quinze horas de viagem de barco. Encontrou uma faixa no barranco com a seguinte frase: “Padre, seja bem-vindo. Faz cinco anos que não vemos um!”. O Padre em missão foi acolhido com uma sede da Eucaristia, que ninguém é capaz de descrever. Enquanto em lugares como esse, as pessoas só tem um padre para celebrar-lhes a Eucaristia, contamos na cidade de Ribeirão Preto, num único final de semana mais de duzentas Missas Dominicais. Ainda assim, quantos de nós, encontramos desculpas daqui e dali para faltarmos tanto nas celebrações de nossas Comunidades de Fé, Oração e Amor? Qualquer motivo nos tenta a faltar do que São Paulo chama de Corpo Místico, mutilando, portanto, nossas Comunidades Eclesiais. Cada membro que falta, mutila o Corpo da Igreja, do qual somos os membros, enquanto Cristo é a Cabeça e o Espírito Santo a alma! Torna-se desafiador afirmar que não existe Igreja sem Eucaristia. Onde temos tantas Eucaristias celebradas, porém mal aproveitadas, seríamos mais Igreja do que aquelas Comunidades que se alimentam durante cinco anos apenas da Palavra, da fidelidade a Deus nas relações verdadeiras entre os irmãos? Cada um tire suas próprias conclusões!

Dos homens não devemos ter nem temor nem medo; ensina-nos o Evangelho deste domingo, de Deus, porém devemos ter temor, mas não medo. O sentido do temor a Deus é completamente diferente daquele do medo. “Temer a Deus é o princípio do saber” (Sl 111,10), isto é, tem sua fonte exatamente no saber quem é o Senhor. Se o medo nasce da obscuridade do desconhecido, o temor de Deus nasce do conhecimento de Deus.

Como sempre o Evangelho nos ajuda a olharmos para os nossos dias com olhar transfigurado e lança luzes sobre o nosso cotidiano. O nosso tempo é um tempo de angústia e a ansiedade e o medo têm se tornado as doenças por excelência e principais causas de infartos e suicídios. Como se pode explicar essa situação se na atual conjuntura temos tantos recursos, em relação ao passado, que nos garantem segurança econômica, planos de saúde, meios para enfrentar doenças e formas para retardar o envelhecimento e a morte? Não será que na nossa sociedade diminuiu o temor de Deus e quanto mais diminui o temor de Deus, mais cresce o medo dos homens? Os adolescentes e jovens que perderam o temor dos pais, que por sua vez perderam o temor de Deus, são mais livres e seguros de si?.

Enfim, a mensagem de Jesus, a Boa Nova do Evangelho, é maior e mais forte que a fortaleza dos homens, que muitas vezes se consomem em destruir relações, difamar, deixar a inveja derrubarem os irmãos mais fragilizados. Tampouco a mensagem de Jesus é destinada apenas a um pequeno grupo, aqueles que buscam ocupar cargos, funções e correm atrás de privilégios à custa da instituição, seja ela eclesial, política ou social, nem a um grupo de elite, de privilegiados, mas sim uma boa nova que precisa ser dita “à luz do dia” e proclamada “sobre os telhados”.

O cristão não deve ter medo de anunciar com a própria vida os valores que lhe são essenciais e que o caracterizam como verdadeiro filho que se sente amado por Deus, a saber: o amor gratuito, a verdade, a justiça, a liberdade, a cidadania e a paz!

Desejando-lhe muitas bênçãos, com ternura e gratidão, o abraço fiel,

Pe. Gilberto Kasper

(Ler Jr 20,10-13; Sl 68; Rm 5,12-15 e Mt 10,26-33).
Fontes: Liturgia Diária da Paulus de Junho de 2017, pp. 89-92 e Roteiros Homiléticos da CNBB do Tempo Comum I (Junho de 2017), pp. 23-26.
COMENTANDO A PALAVRA DE DEUS

DÉCIMO-SEGUNDO DOMINGO  DO TEMPO COMUM
Home  |  História  |  Projetos  |  Homenagens  |  Notícias  |  Blog Padre Gilberto  |  Contato
contato@rodrigosimoes.com.br

(16) 99233-9800
Rodrigo Simões ® - Todos os Direitos Reservados